Conselhos do Futuro

Para que atuem como agentes de transformação e catalisadores da adaptabilidade e agilidade das organizações, a composição dos conselhos deve ter maior foco em diversidade e competências socioemocionais. Disposição para questionar, ouvir ativamente, respeitar outras visões, ousar, desaprender e reaprender, será condição essencial para explorar novas formas de gerar valor e viabilizar as transformações necessárias. 

  1. Revisitar periodicamente o propósito da empresa para garantir que ele seja capaz de mobilizar todas as partes interessadas. 
     

  2. Implementar iniciativas de forma alinhada à visão, que maximizem o potencial de crescimento e valorização e construam a estratégia por meio da exploração do futuro. 
     

  3. Zelar para que as decisões sejam tomadas com base em informações completas, confiáveis e atualizadas, considerando aspectos ambientais, sociais e de governança corporativa. 
     

  4. Criar um ambiente empresarial vibrante, no qual as pessoas tenham curiosidade elevada, estejam atentas a oportunidades e sejam ágeis para aproveitá-las, buscando a otimização dos riscos – não a aversão a eles.
     

  5. Definir uma matriz de competências que zele pela diversidade e inclusão, tanto para o conselho quanto para a gestão. 
     

  6. Selecionar, motivar e desenvolver os líderes da organização, considerando os interesses das partes interessadas na definição de métricas de desempenho e incentivos.